Este é um volume dedicado à divulgação do trabalho literário de Guilherme Stein Jr., pioneiro da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Brasil, cuja vida foi objeto do livro “Vida e Obra de Guilherme Stein Jr. – Raízes da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Brasil”, do mesmo autor, publicado pela Casa Publicadora Brasileira.

por Ruy Carlos de Camargo Vieira

por Ruy Carlos de Camargo Vieira


Editado pela Sociedade Criacionista Brasileira, em dezembro de 1998.

Visão geral das obras de Guilherme Stein Jr..  Sobre a origem comum das línguas e das religiões.

Formato: 15 x 21 cm (brochura)

Coleção Idiomas

 

Esta é uma publicação dedicada à divulgação da produção literária de Guilherme Stein Jr., pioneiro da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Brasil, cuja vida foi objeto do livro “Vida e Obra de Guilherme Stein Jr. – Raízes da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Brasil”, do mesmo autor, publicado em parceria com a Casa Publicadora Brasileira.

Nela são expostas inicialmente as linhas gerais por ele seguidas no que foi considerada a sua primeira obra (1919) – “O Sábado” – tentando mostrar como as questões ali levantadas levaram-no a enveredar pelo caminho da pesquisa do monogenismo da raça humana, sob a ótica do criacionismo bíblico. Aborda-se em seguida o conteúdo de sua segunda obra (1934) – “O Tupi – (Tomo I)” – para então tratar de seus originais inéditos, destacando alguns aspectos da sua curiosa metodologia, da importância dada ao estudo comparado das línguas e das religiões, bem como do realce dado à interpretação de ideogramas sumérios sob o prisma do relato bíblico.

A posição de Guilherme Stein Jr. é de que não será possível comprovar a tese do monogenismo linguístico de forma satisfatória sem que se considere simultaneamente a tese da origem comum das religiões. Sua abordagem é essencialmente criacionista, admitindo a origem do ser humano mediante ato criativo direto de Deus, de conformidade com Seus desígnios, obedecendo a um planejamento específico no qual a linguagem encontra suas raízes nas idéias religiosas reveladas ao ser humano a respeito da natureza e propósitos do Criador.

 

 

Dadas as peculiaridades da produção literária de Guilherme Stein Jr., optou-se por não inserir senão alguns breves traços a seu respeito, o que permitiu então dar-lhe agora o merecido destaque. De fato, mesmo sem se aprofundar na análise de seus dois livros publicados, e dos seus originais inéditos, as considerações que se fizessem sobre essa produção literária de Guilherme Stein Jr. ficariam um tanto deslocadas do contexto dentro do qual se abordou a sua biografia. E, além do mais, passar-se-ia de um assunto relativamente ameno, como Guilherme Stein Jr. e sua época, para algo que, pela sua especificidade certamente seria considerado bastante árido pela maioria dos prováveis leitores interessados no conteúdo do seu primeiro livro.

Deve ser destacado que na realidade a primeira obra de Guilherme Stein Jr. foi “Sucessos Preditos da História Universal”, publicada em 1909, fato que até pouco tempo atrás ainda estava imerso no esquecimento.

Este trabalho tem por finalidade apresentar subsídios para a resposta à pergunta “É possível confirmar a existência de um tronco comum para os idiomas?”. Tais subsídios provirão do legado literário deixado por Guilherme Stein Jr. nas obras editadas durante a sua vida, e na sua obra póstuma que está sendo preparada para edição pela Sociedade Criacionista Brasileira.

A posição de Guilherme Stein Jr. é que não será possível comprovar a tese do monogenismo linguístico de forma satisfatória sem que se considere simultaneamente a tese da origem comum das religiões. Sua abordagem é essencialmente criacionista, admitindo a origem do ser humano mediante ato criativo direto de Deus, de conformidade com Seus desígnios, obedecendo a um planejamento específico no qual a linguagem encontra suas raízes nas idéias religiosas reveladas ao ser humano a respeito da natureza e propósitos do Criador.

 

Esta posição de Guilherme Stein Jr. foi firmada gradativamente desde a elaboração de seu livro “O Sábado” (1919), no qual destacou, na análise dos seis dias da Criação, as teses criacionistas em confronto com as do Evolucionismo, e teve continuidade com os seus estudos a respeito da língua e da religião dos índios brasileiros, cujos resultados preliminares foram publicados em seu livro “O Tupi – Tomo I” (1934). Se bem que na época da publicação desse seu segundo livro suas teses não tivessem maior aceitação, hoje em dia têm encontrado certa receptividade nos círculos eruditos, embora desvinculada de qualquer comprometimento com o Criacionismo.

De fato, por exemplo há cerca de pouco mais de uma década, os esforços demandados para a decifração dos glifos maias levaram J. Eric S. Thompson a afirmar o seguinte, em sua obra “Maya Hieroglyphic Writing”:

“Neste volume enfrentei o problema da decifração de forma diferente, embora contendo elementos que já foram utilizados anteriormente. Estou convicto de que somente interpretaremos os glifos se nos basearmos profundamente nas crenças, no simbolismo religioso, na mitologia, e em grau menor, nas atividades do dia-a-dia dos Maias, porque esses conceitos estão certamente arraigados na estrutura de cada glifo”.

Seguindo esse caminho, Guilherme Stein Jr. havia procurado também interpretar os ideogramas sumérios em estreita conexão com as idéias religiosas neles contidas, e, por conseqüência, com a linguagem que aqueles ideogramas expressavam. Este método fica explícito ao se lerem as obras póstumas de Guilherme Stein Jr., das quais uma breve síntese consta deste trabalho, juntamente com a síntese das obras publicadas em 1919 e 1934. E podemos dizer que obteve ele grande sucesso com essa sua metodologia, tendo podido apresentar explicações convincentes sobre vários tópicos de interesse, como poderá ser visto.

Este trabalho – “Um Tronco Comum para os Idiomas?” – foi preparado para dar uma visão geral das obras de Guilherme Stein Jr., em conexão com a tese da origem comum das línguas e das religiões. O título escolhido para ele decorreu do tema que foi proposto para o Encontro Internacional de Criacionistas, e III Encontro Nacional de Criacionistas. Na realidade, o título deste trabalho deve ser entendido em conexão com o fato de que no Encontro mencionado foram ser lançadas as reedições dos livros “O Sábado”, e “O Tupi – Tomo I”, juntamente com a obra inédita “A Torre de Babel e seus Mistérios”. O conjunto dessas três obras dá resposta à pergunta sugerida como título para esta publicação.

Deve ser mencionado, entretanto, que a segunda das obras inéditas de Guilherme Stein Jr. é a que traz maior contribuição para a demonstração da tese do monogenismo linguístico associado ao monogenismo religioso. Esta obra encontra-se em fase adiantada de preparo para publicação, esperando-se poder trazê-la à luz ainda no primeiro semestre de 2014.

A publicação dessas quatro obras de Guilherme Stein Jr. exigiu muitos anos de paciente trabalho para a complementação dos textos originais com notas explicativas e figuras, e ficam aqui os agradecimentos a todos os que se dispuseram a colaborar para viabilizar a sua edição.

A realização deste empreendimento constituiu mais uma das metas da Sociedade Criacionista Brasileira que agora se concretiza por ocasião dos já tradicionais Seminários Filosofia das Origens efetuados pela SCB.