Este livro faz um apanhado geral do “movimento de Stangnowsky” ocorrido em Joinville, tendo sido provavelmente o primeiro grupo guardador do sábado no Brasil. De fato, pelos dados apresentados, a história desse grupo em Joinville faz recuar pelo menos ao ano de 1874 a data da observância do sábado do sétimo dia no Brasil.

 

por Ruy Carlos de Camargo Vieira
Editado pela Sociedade Criacionista Brasileira
, em 1995, com 16 páginas (Encontra-se esgotado).

Formato: 15 x 22 cm (brochura)

Coleção Advento

 

Usualmente falava-se dos primeiros observadores do sábado no Brasil focalizando o Vale do Itajaí, em Santa Catarina. Posteriormente, em função de relatos escritos feitos pelo Pastor Frank Henry Westphal, e que não haviam sido muito divulgados, foram adicionados outros pioneiros da guarda do sábado no Brasil, no Estado de S. Paulo, em Piracicaba, Rio Claro e Indaiatuba, e ainda em Santa Catarina em Joinville.

Este livro faz um apanhado geral do “movimento de Stangnowsky” ocorrido em Joinville, tendo sido provavelmente o primeiro grupo guardador do sábado no Brasil. De fato, pelos dados apresentados, a história desse grupo em Joinville faz recuar pelo menos ao ano de 1874 a data da observância do sábado do sétimo dia no Brasil.

O livro apresenta alguns dados sobre Augusto Anniess, imigrante alemão que, com quinze anos haver se batizado em 1869 na Igreja Batista, e logo após se tornado adepto de Stangnowsky, passando a guardar o Sábado, ainda na Europa.

A partir de dados obtidos de descendentes de Augusto Anniess ainda vivos hoje, é feita no livro reconstituição parcial de sua vida, com informações sobre seus filhos, netos e bisnetos, a grande maioria dos quais ainda hoje permanece como fiéis observadores do sábado.