A ÁRVORE EVOLUTIVA DO HOMEM
NÚMERO 6 – SETEMBRO DE 1999 – ANO 28
SUPLEMENTO DA FOLHA CRIACIONISTA NÚMERO 61

 

 

 

Este número da Folhinha Criacionista está sendo dedicado a assuntos relacionados com a pretensa história dos nossos antepassados, concebida em conformidade com os paradigmas da estrutura conceitual evolucionista. Tem-se a intenção de apresentar em linhas gerais as dificuldades encontradas para a classificação de antropóides e hominídeos que teriam sido ancestrais do homem, a partir de escassos e incompletos restos fósseis encontrados em distintas partes do planeta. No desenvolvimento de trabalhos científicos deve-se atentar sempre para a influência subjetiva que idéias preconcebidas possam exercer sobre a interpretação de dados coletados de forma objetiva, dentro dos parâmetros estabelecidos pelo método científico.

 

 

 

ACHADOS DE FÓSSEIS DA CHAMADA
“ESPÉCIE HOMINÍDEA”

 

A conhecida revista Time publicou em seu número de 23 de agosto de 1999 um apanhado geral sobre a árvore genealógica evolutiva mais recentemente desenhada para os seres humanos modernos e seus ancestrais. A seqüência apresentada para os fragmentos fósseis que caracterizariam a reconstrução de uma “família” da denominada “espécie hominídea” foi a que se representa nas Tabelas a seguir.

 

 

 

Ramo dos Australopitecos

Nome atribuído ao espécime fóssil Idade presumível (m.a.) Local do achado
Ardipithecus ramidus 4,4 Etiópia

Australopithecus anamensis

4,2-3,9

Kenya

A. afarensis

3,6-2,9

Tanzania

A. africanus

3,0-2,3

Taung

A. aethiopicus

2,8-2,3

Etiópia

A. garhi

2,5

Etiópia

A. boisei

2,3-1,4

Tanzania

A. robustus

1,9-1,5

África do Sul

 

 

 

Na mente popular os Australopitecos apresentam-se constantemente como se estivessem pouco a pouco preenchendo o hiato entre o homem e seus ancestrais animais, e contribui para essa confusão a tendência dos “descobridores de fósseis” de acrescentar qualificativos aos seus achados. Esses qualificativos, porém não se justificam, como afirma claramente o famoso antropólogo evolucionista Le Gros Clark em seu livro Bones of Contention in Human Evolution: “Praticamente nenhum dos gêneros e espécies dos hominídeos fósseis (incluindo todos os australopitecos) que têm sido criados de tempos em tempos, apresenta qualquer validade na nomenclatura zoológica”. A pergunta básica é se existe mesmo uma árvore, ou somente um feixe de ramos?!

Além dos hominídeos do ramo dos Australopitecos, foram também apresentados na revista “Time” os espécimes fósseis do assim chamado “ramo humano”, conforme indicado na Tabela da página seguinte.

 

PARTE 2